Detalhes do E-book

Título: Entrelaços: Teoria e prática na atenção primária à saúde
Informações
ISBN
978-65-86230-39-0
Editores(as)
Maria Ambrosina Cardoso Maia, Jaqueline Silva Santos, Gilmar Antonio Batista Machado, Raquel Dully Andrade
Sobre esta obra

A Atenção Primária à Saúde (APS) é reconhecida nacional e

internacionalmente como princípio norteador de sistemas de saúde integrais que

visam ampliar o acesso e a utilização dos serviços e das ações para alcançar a

Saúde Universal1

.

Para garantia de sua implementação, fortalecimento das suas estratégias e

sustentabilidade das propostas com vistas a viabilizar o acesso das pessoas aos

sistemas de saúde, a APS vem integrando importantes pautas na arena das políticas

públicas de saúde e intersetoriais em todo o mundo, como o recente movimento

comemorativo dos quarenta anos da Declaração de Alma-Ata, ocasião em que no

ano de 1978 os países membros da Organização Mundial da Saúde definiram um

elenco de proposições para garantir a saúde de todas as pessoas, elegendo a APS

como a principal e mais adequada forma de acesso à saúde2

.

Passadas pouco mais de quatro décadas da referida declaração, progressos

nos sistemas de saúde em todo o mundo são registrados com evidências positivas

de que a APS é o caminho para garantia da oferta de uma “Saúde Universal com

equidade, sem deixar ninguém para trás”

3

.

Mesmo com tantos avanços, ainda há muitos desafios que impedem o direito

do acesso à saúde por meio da APS, como a pobreza e a desigualdade, os modelos

de atenção pouco eficientes, sistemas de saúde fragmentados, os recursos

financeiros insuficientes, as limitações de governança e de liderança, além da falta

de investimento para a formação de profissionais4

.

Na realidade brasileira, tais desafios também podem ser verificados. No

entanto, com a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, um dos maiores

do mundo com acesso universal a serviços e ações de promoção da saúde, que

ocorreu quase que paralelamente ao movimento global de Alma-Ata, a APS tornouse a principal estratégia que possibilitou a ampliação equitativa do acesso à saúde, a

redução da mortalidade infantil e internações por condições sensíveis à APS, dentre

outras experiências que conferem seu reconhecimento3

.

A APS no Brasil, regida em sua maior parte pela Estratégia Saúde da Família

(ESF), é apontada como uma das principais contribuições para a organização do

SUS e melhoria da saúde da população brasileira5

.

Mais de 45 mil equipes da ESF atualmente são a porta de entrada no sistema

nacional de saúde, com a oferta de cuidado continuado e prestação de ações com

enfoque na promoção da saúde, prevenção de agravos, tratamento e reabilitação, o

que no conjunto de dispositivos do modelo de atenção à saúde brasileiro, a ESF

representa uma das inovações mais significativas na APS desde Alma-Ata6

.

Apesar das reconhecidas experiências exitosas da APS brasileira, os

obstáculos relacionados à formação profissional para atuação na Saúde da Família

(SF) ainda são um dos dificultadores que afetam a APS no País e que é objeto de

abordagem do livro ora em apreço.

O livro Entrelaços: Teoria e Prática na Atenção Primária à Saúde,

organizado por Gilmar Antonio Batista Machado, Jaqueline Silva Santos, Maria

Ambrosina Cardoso Maia e Raquel Dully Andrade, traz para o debate a necessária

articulação entre a construção do conhecimento e a experiência para a consolidação

da APS, contemplando aspectos motivadores que direcionam para o

desenvolvimento da formação profissional compromissada com os princípios

consensuados em Alma-Ata, mas, sobretudo com o SUS e a nossa sociedade . A teoria e prática na APS e seus entre laços apresentados no livro colocam

em cena aspectos de experimentação os quais foram objetos de produção de

conhecimento e de vivências de interação praticadas na universidade, no cotidiano

da assistência dos serviços de saúde e na gestão local, servindo-se dos referenciais

de saúde com abordagem sobre as conquistas e os desafios da APS nas últimas

décadas e o seu enfoque na gestão municipal, as experiências formativas por meio

das práticas de Educação Permanente em Saúde (EPS), a segurança do paciente, o

cuidado domiciliar, a saúde materno-infantil, a saúde do adolescente, as condições

crônicas, a saúde do idoso e a interface com a promoção da saúde, a equidade em

saúde na perspectiva das políticas públicas.

Ao contemplar a participação de 43 autores envolvidos com a docência, a

assistência e a gestão, o livro veio contribuir com a reflexão relativa ao processo de

formação e prática profissional para a APS, objeto de dedicação dos autores.

O livro foi organizado de forma a permitir que os leitores conheçam os

referenciais na APS e seus temas estratégicos para a formação e atuação

profissional em saúde a partir de mecanismos pedagógicos inovadores,

contemplando esquemas sintéticos em cada capítulo, avançando na sistematização

de questões para fixação da aprendizagem e da prática em fazer saúde. Uma

iniciativa híbrida entre descrição analítica, teórica, referencial da APS e exercícios

que favorecem a materialidade pela APS na prática.

O processo de integração entre a universidade, serviços de saúde e

comunidade marca a intencionalidade da elaboração deste livro. Tal integração

demonstra a necessidade de configuração do desenvolvimento profissional com

enfoque na APS como uma prática direcionada à comunidade e à prestação de

serviços de saúde com concepção crítico-social do mundo, do usuário e da

sociedade.

As evidências sobre a transformação dos modelos de educação das

profissões da saúde, direciona para a necessidade de se investir em iniciativas

capazes de promover mudanças no ensino, com incorporação de metodologias

ativas capazes de formar profissionais aptos à escuta, ao acolhimento e

responsabilização para com os usuários das ações e serviços de saúde e os

qualifiquem para a resolubilidade de suas práticas assistenciais. Nessa direção, a

orientação para formação com enfoque na APS é coerente com o que se propõe

como necessário para mudar o modelo assistencial hegemônico.

Retomo este livro em sua central dimensão. A APS constituída como um

projeto do Estado brasileiro para a proteção universal da saúde e que comporta a

ESF como estratégia adotada. Para tanto, precisamos desenvolver capacidades

para articular a teoria com a prática e garantir a potência que a APS apresenta em

sua totalidade. Assim, a proposição por inovações entre o que se produz e o que se

pratica recai sobre aqueles que acreditam nesse modelo, que são impulsionados por

lançar iniciativas que contribuam coma formação e a prática para a APS, para então

preparar os profissionais para atuarem no SUS, com a atenção integral e em equipe.

A dedicação e criatividade de organizar os textos em livro para a difusão e

compartilhamento das experiências em APS, desde as mais diversas perspectivas

que a compõem, é motivo de comemoração e alegria, sobretudo para aqueles que

desejam conhecer mais sobre como integrar teórica e prática.

O livro, além de fortalecer as bases conceituais da APS e seus antecedentes,

lança o chamado a partir de uma inequívoca proposta para promover o debate para

a práxis na APS, tão necessário nestes tempos de crise sanitária global pela COVID-19. Reafirmar o SUS, por meio de sua APS, como ordenador da formação em

recursos humanos em saúde é uma das mais valiosas contribuições desta obra.

Ficha Técnica
Ano Publicação
2021
Páginas
217